Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog à solta

Textos de um estudante preso em Coimbra com a ambição de ser crítico de música

Blog à solta

Textos de um estudante preso em Coimbra com a ambição de ser crítico de música

Porque não uma página no Facebook?

Há dias, para a minha avaliação oral da cadeira de inglês, tive de criar um poster para mais tarde desenvolver um discurso a partir do tema que fosse apresentar. Decidi falar sobre blogging, uma vez que tenho vindo a ganhar interesse nesta área - ou atividade, como preferirem definir.

No final da apresentação, uma das perguntas que me foi colocada foi sobre quais seriam as mais-valias em ter um blog em vez de uma página no Facebook. Na altura fiquei poucos segundos a pensar na resposta que haveria de dar e limitei-me a dizer que um blog permite-nos criar algo mais pessoal, mas acho que vai muito além disso...

 

Para além do aspeto mais pessoal

Creio que seja quase um facto. Escrever textos num blog tem todo um cariz muito mais pessoal e intimista do que numa página do Facebook, pelo menos se tivermos em conta a estética visual e não apenas a estética escrita. Um blog permite-nos escolher o tipo, cor, tamanho e alinhamento da letra que nos agrade, fora a imensidão de templates - mesmo entre os predefinidos haverá um que nos agrade na maioria das plataformas com certeza.

Mas talvez a experiência vá muito além de apenas "parecer mais pessoal", há maior liberdade para escrever longos textos sem a preocupação de não serem lidos mais tarde - pelo menos essa é a minha opinião com base no que vejo de outras pessoas quando estão no Facebook. Parece haver uma maior disposição para ler longos textos num blog do que numa página do Facebook.
Talvez o tamanho da letra não seja agradável aos olhos, ou então as pessoas estejam à procura de algo mais fácil de consumir naquela rede social, mas parece que textos longos não casam com Facebook.

Para além disto, diria eu que parece menos estranho partilhar visões pessoais e certos pensamentos mais íntimos num blog que em outros lugares. Se no Facebook uma pessoa poderá pensar "porque é que estas a partilhar isto?" ou "de que me interessa saber isso?", num blog os nossos pensamentos e sentimentos parecem servir mais facilmente como forma de inspiração para outras pessoas e não como motivo para nos acharem estranhos ou inconvenientes.

Para finalizar, há ainda o grande ponto positivo de, ainda que remotamente, conseguirmos produzir dinheiro e fazer do blog uma via de sustento.

 

Haveria muito mais que poderia escrever aqui, mas não quis transformar esta publicação num texto excessivamente longo. De qualquer forma, comentários são bem-vindos!